Diminuição dos riscos de Doenças Ocupacionais – NOVE BONS MOTIVOS para realizar Análise Ergonômica do Trabalho


Mas não cabe só a empresa as medidas ergonômicas, todos os colaboradores que atuam dentro das empresas são os responsáveis pelo trabalho de prevenção de doenças e acidentes ocupacionais. A alta administração, os profissionais de Segurança e Saúde no Trabalho, os gestores, coordenadores, supervisores e os colaboradores operacionais devem estar envolvidos na criação e manutenção desses programas ergonômicos e preventivos. E isso não se trata de ideologia pois as leis já apontam os deveres da empresa e dos funcionários.

Os riscos de doenças ocupacionais dentro do ambiente de trabalho são vários e geralmente são fruto da falta de uma análise ergonômica que avalie equipamentos e processos.

Anualmente, as empresas acabam tendo de gastar muito mais em processos trabalhistas e assistência de saúde a profissionais debilitados do que custaria investir em ergonomia no ambiente de trabalho.

Vamos continuar nossa série de “NOVE BONS MOTIVOS PARA SUA EMPRESA REALIZAR ANÁLISE ERGONÔMICA DO TRABALHO”, analisando nosso sexto motivo: a diminuição do risco e incidência de doenças ocupacionais por meio da aplicação de soluções ergonômicas no ambiente de trabalho. Continue conosco e confira.

Diminuição dos riscos de Doenças Ocupacionais

O trabalho pode ser uma fonte de muito prazer, de realização, crescimento, mas ao mesmo tempo pode se tornar fonte de vários agravos de saúde uma vez que o ambiente não esteja totalmente adequado para o desenvolvimento das atividades. Conheça agora como as doenças ocupacionais podem impactar o seu negócio e como as práticas de ergonomia podem ajudar a reverter um quadro desfavorável.

A preocupação com a saúde do trabalhador

As preocupações com a saúde do trabalhador começaram a ganhar importância com a chegada da Revolução Industrial, com o surgimento das fábricas e a partir do desenvolvimento de novas tecnologias. Desde então, surgiram diversos problemas de saúde ocasionados pela falta de estrutura e más condições de trabalho, que ficaram conhecidos como doenças ocupacionais.

Entretanto, a prevenção de agressões contra a saúde e a integridade física em atividades associadas ao trabalho surgiu somente com a incorporação do paradigma da medicina social do século XIX, que reconhece as condições de trabalho como um dos aspectos importantes das condições de vida.

Atualmente, observa-se a crescente importância da qualidade das condições de trabalho, pois a vida agitada das pessoas, que às vezes se submetem a longas jornadas de trabalho ou trabalhos estressantes que exigem alto rendimento em poucas horas, causa doenças e acidentes de trabalho.

A ergonomia como forma de diminuição de doenças ocupacionais

Muitos problemas existentes no ambiente de trabalho estão diretamente relacionados à ausência de padrões ergonômicos.

A ergonomia é o estudo das interações entre o trabalhador e seu ambiente de trabalho, tecnologia e organização, com o objetivo essencial de promover a melhoria do processo, de forma integrada e não dissociada das condições de segurança, conforto e bem-estar e da eficácia das atividades humanas.

Os deveres do empregador

O descumprimento das normas impostas pelo governo e órgãos de fiscalização e regulamentação podem incorrer em multas e sanções, além de prejudicar a saúde dos colaboradores, que têm o direito de entrar com ações indenizatórias na justiça.

De acordo com a Legislação de Segurança e Saúde no Trabalho, cabe às empresas assegurar os direitos dos trabalhadores com o cumprimento das leis vigentes do Código. Caso contrário, qualquer dano à saúde do trabalhador causado por outrem pode ser reclamado judicialmente, conforme o artigo 159 do Código Civil.

Quanto aos deveres, o art.157 da CLT dispõe às empresas as seguintes obrigações:

  • cumprir e fazer cumprir as normas de segurança e medicina do trabalho;
  • Iinstruir os empregados, através de ordens de serviço, quanto às precauções a tomar no sentido de evitar acidentes de trabalho e doenças ocupacionais.

As 35 Normas Regulamentadoras do trabalho também têm o papel de informar quais as responsabilidades da empresa e do empregado no que se refere aos riscos e prevenção de acidentes e doenças ocupacionais. Dentre elas, vale destacar as seguintes:

  • NR4 – Serviço Especializado em Engenharia de Segurança e Medicina do Trabalho (SESMT);
  • NR5 – Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (CIPA);
  • NR6 – Equipamento de Proteção Individual (EPI);
  • NR7 – Programa de Controle Médico e Saúde Ocupacional (PCMSO);
  • NR9 – Programa de Prevenção de Riscos Ambientais (PPRA);
  • NR17 – Ergonomia.

A primeira Norma Regulamentadora, aliás, estabelece que cabe ao empregador manter seus funcionários informados a respeito dos riscos profissionais que possam surgir nos locais de trabalho e, complementarmente, também sobre os meios para prevenir e limitar tais riscos e medidas adotadas pela empresa.

Os deveres do trabalhador

Mas não cabe só a empresa colocar em prática as medidas ergonômicas. O artigo 158 da CLT, Consolidação das Leis do Trabalho, aponta que é um dever do colaborador observar as normas de segurança e medicina do trabalho e estar presente nas instruções realizadas pelo empregador.

Além disso, determina que o empregado deve cumprir todas as disposições legais e regulamentares expedidas pela empresa em que atua no que se refere aos aspectos de segurança e saúde do trabalho.

Os benefícios da análise ergonômica

Realizar uma análise ergonômica adequada em sua empresa é uma ótima forma de eliminar a preocupação com problemas futuros na saúde de seus colaboradores e eliminar o risco do descumprimento de alguma norma.

O ideal é buscar o auxílio de uma consultoria especializada, como a Health Care, que possui profissionais habilitados para realizar todo o processo e ajudar você a identificar e eliminar os principais riscos ergonômicos.

Esse processo traz várias vantagens para a empresa. Elimina futuras indenizações por problemas de saúde, melhora o ambiente de trabalho, aumenta a eficiência dos processos e garante mais motivação aos colaboradores.

Os riscos ergonômicos causadores de doenças ocupacionais

Existem alguns vilões principais quando falamos em riscos ergonômicos dentro das empresas, sendo os mais comuns na causa de doenças ocupacionais em colaboradores. São eles:

  • repetitividade ─ movimentos repetitivos podem causar desgaste e provocar a fadiga, física e mental;
  • postura inadequada ─ pode causar lesões e enfraquecimento de partes do corpo;
  • iluminação inadequada ─ a falta de luminosidade ou seu excesso  é prejudicial;
  • ritmo excessivo ─ pode desgastar a saúde ao longo do tempo;
  • jornadas prolongadas ─ a falta de descanso também é altamente prejudicial;
  • monotonia ─ atividades laborais monótonas podem contribuir para o surgimento de distúrbios;
  • levantamento de cargas ─ manusear cargas pesadas pode ter um impacto muito negativo.

As principais doenças ocupacionais

A lista de doenças ocupacionais é muito grande e a sua incidência vai depender principalmente da área de atuação da empresa e das atividades realizadas no dia a dia. Por exemplo, uma construtora enfrenta problemas e riscos ergonômicos diferentes de uma corretora de seguros.

Entre as principais doenças ocupacionais temos:

  • lesão por esforço repetitivo ─ LER, causada por atividades repetitivas;
  • asma ocupacional ─ causada por inalação de certas substâncias;
  • dermatose ocupacional ─ alergia causada por contato com produtos químicos;
  • surdez ─ ambientes com muito ruído;
  • antracose pulmonar ─ inalação de agentes que causam lesões no pulmão;
  • distúrbios osteomusculares ─ DORT, causado por postura inadequada, levantamento de cargas e outros motivos;
  • desgaste da visão ─ ocorrido por problemas de luminosidade;
  • depressão ─ causada por excesso de pressão, desentendimentos ou outros motivos.

ergonomia tem um grande papel na construção de um novo tempo, não só no sentido de buscar e garantir melhores condições de trabalho, mas também de levar empregado e empregador ao comprometimento com a concretização de uma nova organização participativa e estruturação da própria sociedade.

Não sabe como fazer isso? A Health Care conta com profissionais especializados que podem ajudar você a melhorar a ergonomia de sua empresa e evitar o surgimento de doenças ocupacionais. Entre em contato conosco!


Powered by Rock Convert
Powered by Rock Convert

YOU MIGHT ALSO LIKE

Conheça os tipos de ginástica laboral
July 24, 2019
Controle de Absenteísmo – NOVE BONS MOTIVOS para realizar análise ergonômica no trabalho
April 23, 2019
Veja 5 dicas para manter um ambiente saudável na empresa
December 13, 2016
Como a ginástica laboral pode reduzir custos da empresa?
December 01, 2016
Processos de Certificação – NOVE BONS MOTIVOS para realizar Análise Ergonômica do Trabalho
May 25, 2015
Saúde, Conforto e Segurança dos colaboradores – NOVE BONS MOTIVOS para realizar Análise Ergonômica do Trabalho
April 06, 2015
Fazer exercícios em jejum queima músculos e preserva gorduras
March 05, 2015
Relação Custo-Benefício – NOVE BONS MOTIVOS para realizar Análise Ergonômica do Trabalho
January 14, 2015
Postura e descanso são importantes para evitar lesões por esforço repetitivo
November 25, 2014

Leave a comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *