7 dados importantes que você deve saber sobre análise ergonômica


A análise ergonômica é um documento que avalia os riscos ergonômicos aos quais os trabalhadores de uma empresa estão expostos. Ela é baseada na Norma Regulamentadora 17, que tem como objetivo garantir o conforto e a segurança dos funcionários no ambiente de trabalho.

Neste artigo, você confere alguns dados importantes com relação à análise ergonômica de uma empresa e também vai ler dicas de como implementar a ergonomia no ambiente empresarial. Acompanhe!

A ergonomia traz benefícios tanto para os funcionários quanto para a empresa

Cumprir normas de ergonomia é essencial para garantir a saúde dos funcionários, evitando afastamentos do trabalho e redução da produtividade. Assim, adaptar os postos de trabalho para oferecer conforto e segurança ao funcionário, além de desenvolver atividades como a ginástica laboral, são importantes para prevenir problemas de postura e lesões por esforço repetitivo.

Além disso, empresas que adotam atividades ergonômicas demonstram valorizar seus funcionários. Em contrapartida, os trabalhadores se comprometem mais com a empresa e desempenham melhor suas atividades. Lembre-se de que os colaboradores são responsáveis por fazer a empresa funcionar: sem eles, não há lucro. Portanto, investir na saúde dos funcionários afeta diretamente na lucratividade do negócio.

Confira com mais detalhes esses e outros benefícios:

  • Redução no número de afastamentos e ausência: se o funcionário é bem tratado e sua integridade preservada, dificilmente ele vai ficar doente ou sofrer qualquer trauma que o afaste de seu trabalho;
  • Aumento na produtividade: uma vez que o número de absenteísmo cai, a produtividade aumenta. Sem contar que os funcionários percebem quando estão sendo bem tratados pela empresa, então, ficam motivados a dar o seu melhor pela firma — o que aumenta a produtividade;
  • Melhora a imagem da empresa: não são só os funcionários que percebem o empenho da empresa, os clientes também notam quando estão negociando com uma organização mais humanizada e dedicada. Com a ajuda dos funcionários motivados, também é possível atender aos prazos com mais pontualidade, o que agrada os clientes;
  • Diminui o número de processos trabalhistas: se o colaborador desenvolver algum problema de saúde devido à função que desempenha em seu local de trabalho, com certeza a empresa terá que travar uma árdua batalha judicial. Quem investe em ergonomia no trabalho, consequentemente, corre menos riscos de lidar com esse tipo de contratempo.

Cumprir normas de ergonomia é essencial para a obtenção do Certificado de Conformidade ISO 9001

A certificação ISO 9001 demonstra que empresa adota um modelo de gestão da qualidade que garante a eficácia dos processos e o melhor desempenho da organização.

O selo ISO 9001 melhora o funcionamento da empresa, evitando desperdícios e falhas. Além disso, ele permite a realização de parcerias com grandes entidades que não aceitam estabelecer relações comerciais com empresas que não possuem essa certificação.

Um dos muitos requisitos para obter a certificação ISO 9001 é a apresentação de um programa de gestão da ergonomia eficiente. Nesse âmbito, a análise ergonômica do trabalho é o primeiro passo para alcançar a certificação em ergonomia.

A certificação ergonômica demonstra a ética da empresa

Além de todos os benefícios que já falamos, a empresa que se preocupa em manter um ambiente adequado às atividades do trabalhador é bem-vista pela sociedade. Os clientes ficam mais satisfeitos em saber que estão adquirindo um produto ou serviço de uma empresa comprometida com o bem-estar e a saúde dos funcionários.

Na prática, “laudo ergonômico” e “análise ergonômica do trabalho” são sinônimos

O termo “laudo ergonômico” não é apresentado na NR-17. De acordo com a definição, o laudo ergonômico “original” remete ao documento emitido por um perito em ações trabalhistas. Entretanto, o CONFEA, em sua resolução n° 437, aponta a elaboração do “laudo de avaliação ergonômica” como uma das atividades de engenharia da segurança do trabalho.

Na prática, o documento fornecido pelas consultorias em segurança do trabalho é chamado “laudo ergonômico”, apesar de o termo “análise ergonômica do trabalho” ser o mais correto nesse caso.

Unir o eSocial à análise ergonômica pode alavancar os resultados da empresa

Se você ainda não conhece o eSocial, então vale a pena se inteirar sobre o assunto. A tecnologia está tão presente no mundo moderno que as suas ferramentas mudaram até mesmo a forma como as empresas realizam seus processos internos.

O eSocial nada mais é do que uma plataforma digital criada pelo Governo Federal para facilitar a prestação de contas das empresas brasileiras. Por meio desta ferramenta, os donos das empresas enviam informações trabalhistas, previdenciárias, tributárias e fundiárias dos seus trabalhadores.

Você deve estar se perguntando qual a ligação entre o eSocial e a análise ergonômica. A resposta é simples: o eSocial tem uma tabela que aborda os Fatores de Risco Ambiental. Nesta tabela estão inclusos os fatores de risco biomecânico, ligados ao esforço intenso e levantamento de peso, e fatores organizacionais, como o trabalho noturno e situações de estresse.

O e-Social é uma ferramenta útil para o governo, afinal, ele facilita a fiscalização das empresas. Por isso é tão importante estar em dia com a análise ergonômica e o mapeamento de riscos. Para que a sua empresa seja vista com bons olhos pelo governo, é preciso esclarecer todas essas informações no e-Social.

Toda empresa com funcionários expostos a riscos deve fazer a análise ergonômica

De acordo com a NR-17, a análise ergonômica deve ser realizada por todas as empresas que possuem funcionários:

  • que realizam esforços de levantamento, transporte ou descarga de materiais;
  • que mantêm postura estática forçada para desempenhar suas atividades;
  • que apresentam sobrecarga muscular do pescoço, ombros, costas e membros inferiores e superiores.

Apenas profissionais especializados em ergonomia podem assinar a análise ergonômica

A NR-17 não especifica quais profissionais podem elaborar e assinar a análise ergonômica. Isso não quer dizer, entretanto, que qualquer pessoa tenha competência para isso. Para ser reconhecido por órgãos de fiscalização ou ter valor legal, a análise ergonômica tem que ser assinada por profissionais especializados em ergonomia.

Dicas para implantar a ergonomia na sua empresa

Depois de tudo o que já foi dito neste texto, você deve estar decidido a implantar medidas ergonômicas em sua empresa. Se você não sabe por onde começar ou o que fazer, siga os passos a seguir:

  • Reúna um comitê para debater sobre as decisões referentes à ergonomia no trabalho. Esse comitê deve ser composto pelos líderes da empresa e por representantes dos funcionários;
  • Ofereça treinamentos e cursos de segurança para os seus funcionários;
  • Defina, junto com o comitê, um planejamento para melhorar cada vez mais as condições de trabalho dos seus funcionários.

Viu só como a análise ergonômica de uma empresa é importante? Além de garantir a qualidade de vida do trabalhador, ela melhora a imagem da empresa junto a colaboradores e clientes. Por isso, deve ser realizada por uma equipe qualificada e experiente.

Está interessado em contratar serviços para aumentar a qualidade de vida e bem-estar dos seus funcionários? Então entre em contato conosco e conheça mais sobre o nosso trabalho!

Powered by Rock Convert