Descubra 4 doenças laborais comuns ao ambiente de trabalho e saiba e como evitá-las


Cada vez mais tem se falado em adotar hábitos saudáveis para conseguir manter uma boa qualidade de vida, mas não podemos esquecer que o ambiente de trabalho e problemas como as doenças laborais também devem entrar para a lista de precauções.

Além de fazer campanhas de conscientização e incentivar que os funcionários cuidem mais de si mesmos, as empresas devem estar atentas para evitar que a exposição a agentes nocivos prejudiquem a saúde do trabalhador.

Por isso, para adotar medidas benéficas a todos é preciso procurar informação e serviços especializados. Veja a seguir 4 exemplos de doenças laborais e saiba como atuar para a sua prevenção!

1. LER (Lesão por Esforço Repetitivo)

Como o nome indica, trata-se do problema gerado por movimentos repetitivos, sendo o tipo mais comum de DORT (Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho). As posturas inadequadas também estão entre as suas principais causas, que podem resultar ainda em escoliose, tendinite etc.

Logo, sua prevenção está diretamente ligada à redução dos riscos ambientais, com uma análise ergonômica eficiente. Caso algum trabalhador comece a perceber alguns sintomas, é imprescindível procurar acompanhamento médico para diagnosticar e tratar o problema.

Caso contrário, o quadro poderá ser agravado a ponto de alcançar uma situação de incapacidade total ou parcial — que pode ocasionar até mesmo aposentadoria por invalidez.

2. Estresse ocupacional

As doenças psicossociais têm afetado cada vez mais a população que, muitas vezes, se preocupa com a saúde física e esquece da mental. O desequilíbrio entre a capacidade do trabalhador e as exigências demandadas costuma gerar esse tipo de reação emocional.

O estresse é um dos primeiros sinais percebidos, que pode evoluir ainda para outras condições como baixo desempenho, depressão, absenteísmo (faltas excessivas), hipertensão, gastrite, entre outras.

Para prevenir tais complicações é fundamental investir na promoção do bem-estar dos funcionários, assim como evitar fatores como jornadas exaustivas ou desmotivação da equipe.

3. Dermatose

Dependendo do tipo de atividade realizada, é bastante comum que surjam alterações na pele e na mucosa que vão desde dermatites e infecções, até casos de cânceres de pele.

Então, os cuidados com o contato e a exposição do empregado a determinados agentes (químicos, físicos ou biológicos) devem ser uma prioridade da empresa. Os exames médicos periódicos ajudam a detectar tais problemas, encaminhando o paciente para o tratamento e afastando-o do fator irritante.

4. PAIR (Perda Auditiva Induzida por Ruído)

A diminuição da capacidade auditiva é o grande risco de áreas com ruídos constantes. É um caso recorrente entre operários em obras ou operadores de telemarketing, por exemplo.

Às vezes, mesmo sem perceber, a sensibilidade da audição é reduzida lentamente e pode se tornar irreversível. A mesma coisa pode ocorrer com a visão, que pode progredir da sensação de desconforto até a catarata ou cegueira.

Tais perdas afetam drasticamente a qualidade de vida das pessoas, portanto, é mais uma das situações que devem ser prevenidas no dia a dia de trabalho. Normalmente, equipamentos de proteção apropriados a cada atividade são bastante úteis.

Enfim, é importante que toda empresa tenha consciência de que garantir um ambiente saudável com funcionários satisfeitos é essencial para manter sua produtividade em alta. Além disso, até mesmo os custos trabalhistas acabam sendo reduzidos.

Conseguiu aprender um pouco mais sobre as doenças laborais? Não deixe de curtir nossa página no Facebook para continuar informado e atento sobre esse e outros assuntos relacionados!

Leave a comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *