Os 7 maiores riscos ergonômicos no ambiente de trabalho


Os riscos ergonômicos no ambiente de trabalho são responsáveis pela maior parte das doenças ocupacionais. Muitas vezes, o colaborador permanece horas sentado realizando as mesmas atividades. Essa monotonia, somada ao sedentarismo e à alimentação desregrada tão comuns hoje em dia, compromete o bem-estar físico e mental do funcionário.

Quando a saúde do colaborador começa a falhar, ele se sente desmotivado e precisa se afastar do ambiente corporativo para buscar tratamento. Assim, oferecer um ambiente de trabalho adequado, com menos riscos ergonômicos, é essencial para garantir a produtividade da empresa.

Vamos, agora, conhecer os 7 maiores riscos no espaço laboral. Acompanhe!

1. Postura inadequada

A dor nas costas é a razão pela qual a maior parte dos colaboradores precisa se afastar do trabalho. Ela aparece quando adotamos posturas inadequadas e é mais comum em atividades que exigem que o funcionário passe muito tempo sentado.

A má postura pode, ainda, causar enfraquecimento e lesões em outras áreas do corpo, tais como ombros e pulsos. Com isso, o colaborador fica mais propenso a desenvolver um quadro de DORT (Distúrbio Osteomuscular Relacionado ao Trabalho).

2. Trabalhos repetitivos

Realizar sempre os mesmos movimentos, tais como trabalhar no computador ou operar máquinas, pode desencadear um caso especial de tendinite conhecido como LER (Lesão por Esforço Repetitivo). Essa enfermidade causa dores e limita a movimentação da região afetada.

3. Iluminação deficiente

A iluminação inadequada reduz a segurança no ambiente de trabalho. O colaborador fica mais sujeito a sofrer acidentes por não conseguir enxergar apropriadamente o que acontece ao seu redor. Além disso, a baixa luminosidade causa fadiga visual, deixando os olhos vermelhos, doloridos e lacrimejantes.  

4. Ritmo acelerado de trabalho

O excesso de tarefas e cobranças causa estresse físico e psicológico. Com isso, a saúde se torna mais frágil e o colaborador se torna mais suscetível a diversos distúrbios. Entre eles, podemos destacar a hipertensão arterial, o transtorno de ansiedade, a depressão e as doenças do trato gastrointestinal, tais como úlceras e gastrite.

5. Monotonia de atividades

Fazer todos os dias a mesma coisa, sem novos desafios, é desestimulante. O colaborador, mesmo presente na empresa, não se sente motivado a realizar a tarefa. A falta de interesse compromete a saúde mental e favorece o desenvolvimento de distúrbios de ansiedade e depressão. 

6. Grandes jornadas de trabalho

O esforço físico ou mental exagerados causam fadiga e estresse. O esgotamento profissional — ou burnout — é um quadro cada vez mais comum em um ambiente de trabalho onde as cobranças são excessivas. Ele corresponde ao colapso físico e mental e exige atenção médica imediata. 

7. Levantamento de grandes cargas

Levantar ou transportar cargas pesadas é um risco para o colaborador, que fica mais sujeito a desenvolver lesões, principalmente na coluna, nos ombros e nos braços. Por isso, o trabalhador nunca deve carregar pesos além da sua capacidade.

Todos os riscos ergonômicos no ambiente de trabalho que foram aqui mencionados podem ser evitados. Para isso, é importante que a empresa passe por uma análise ergonômica e corrija o que for necessário para garantir o conforto e a segurança de sua equipe.

Agora você já sabe quais são os maiores riscos ergonômicos aos quais os colaboradores estão expostos no trabalho. Que tal espalhar esse conhecimento? Compartilhe este conteúdo nas suas redes sociais!